set 272015
 

Quem nunca habilitou um trace que gerou inúmeros arquivos ?

O cenário ainda é pior quando envolve pool de conexões, onde em poucos minutos não é dificil ter mais de mil arquivos gerados.

Mas o que fazer então ? Analisar trace a trace ?

Para situações assim o ideal é usar a ferramenta fornecida pela Oracle – TRCSESS.

Ela é muito simples de ser usada:

trcsess [output=]  [session=] [clientid=] [service=] [action=] [module=] 
  • output => Arquivo que será gerado.
  • session => Caso saibamos o número da sessão, é possível unir apenas os dados dos traces relativos a ela.
  • clientid => Unir os traces baseado no client id.
  • service => Unir os traces baseado no service usado para conectar no banco.
  • action => Unir os traces baseado no action definido pela aplicação.
  • module => Unir os traces baseado no module definido pela aplicação.
  • trace file names => É aqui que colocamos os arquivos que queremos unir. Eles devem ser separados por espaço. Se não colocarmos nada o trcsess vai analisar todos os arquivos do diretório que estamos. Caso deseje, o trcsess aceita o wildcard * nas buscas.

Agora rodar e analisar o tkprof ficou mais fácil não é verdade ?

 Leave a Reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

(required)

(required)